Posts tagged ‘Dica’

abril 2nd, 2013

Agora é a vez dos NOIVOS! 2º Encontro de Noivos é nesta semana!

by ShaialaMarques

Mais uma vez tenho a honra de participar de um encontro imperdível voltado para o NOIVO. Geralmente os eventos são voltados para a noiva, mas neste o toque especial é volado para o homem. Realizado na elegante loja Spirito Santo do novo shopping Bourbon Wallig, este encontro tem tudo para ser demais.

E eu estarei lá, mais uma vez disponível para conversarmos, tirar dúvidas e dar algumas orientações preciosas.

Será no dia 4 de abril, às 19h30, na loja Spirito Santo do Bourbon Wallig.

Confira:

 

 

Share on Twitter
Share on LinkedInShare via email
outubro 5th, 2012

Eleições: cuide quem você vai contratar!

by ShaialaMarques

Domingo você poderá eleger o seu representante, você já havia se dado conta disto?

Ele será sua voz na prefeitura de sua cidade ou na câmara de vereadores.

O prefeito é o chefe do Poder Executivo em sua cidade, já os vereadores formarão a expresão do Poder Legislativo municipal. Não quero criar aqui um grande post ou um texto de esclarecimento, mas quero levá-lo à reflexão.

Você está contratando alguém para cuidar de sua cidade e por isso precisa ser atento. Pense como se estivesse contratando novos gerentes para a sua empresa e exija os mesmos requisitos caso estivesse admitindo alguém. Segue abaixo algumas dicas para você selecionar o candidato ideal:

 

1 – Escolha o partido

Você me dirá aqui “Ei, Shaiala! Eu quero um candidato, não um partido!”, mas não esqueça que geralmente as decisões são tomadas conforme as orientações que o partido aprova. Assim, procure pesquisar no site oficial do partido (ou partidos) de sua escolha quais são suas diretrizes, programas e posturas. Procure também no Google o nome do partido para descobrir o que tem sido comentado sobre ele, seja positivamente ou negativamente – você precisa levar isto em consideração também.

 

2 – Escolha um perfil de candidato

Selecione também o perfil da pessoa que você quer que lhe represente. Mulher? Homem? Com ensino superior? Nascido na sua cidade? Escolha seus critérios e selecione aqueles que estejam conforme suas idéias.

 

3 – Veja as suas plataformas de governo

Procure na internet o vídeo da propaganda política em que aparece seu candidato e veja suas plataformas. Suas propostas devem ser coerentes com o cargo! Não esqueça que aquele que promete muito não terá tempo de cumprir quase nada. Veja ainda se aquilo que ele propõe pode ser de fato feito pelo seu cargo. Cuidado, por exemplo, com candidatos a prefeito que prometem muita segurança, afinal de contas, é competência do governo do estado a guarda civil, sobrando apenas a guarda municipal ao prefeito e esta pouco pode agir.

 

4 – Pesquise o nome de seu candidato no Google!

O Google é um excelente ferramenta para você descobrir mais sobre seu candidato. Coloque o nome dele na pesquisa e veja o que você pode encontrar. Sites da campanha podem ser úteis, mas o mais importante são exatamente locais onde a informação não seja tão “bonitinha”, como redes sociais e sites alternativos de notícia. Por mais que algumas coisas possam ser implantadas na internet para difamá-lo ou até mesmo blogs e sites que se oponham a ele possam fazer campanha contra, você encontrará diversos dados que podem, inclusive, fazê-lo mudar de idéia.

 

5 – Evite candidatos que enchem sua cidade de propaganda

Época de eleições geralmente é marcada pela sujeira nas ruas. Cavaletes, cartazes, panfletos no chão…isso demonstra alguma seriedade para você? Quem muito polui a cidade demonstra seu descaso e desrespeito ao seu possível local de trabalho e uma afronta ao seu empregador, o povo!

 

6 – Ele foi eleito nas eleições anteriores? Confira como foi sua atuação!

Diversos sites de transparência trazem todas as informações sobre o seu candidato. Pesquise! Entenda como ele agiu, compare o número de propostas que ele enviou, como foram seus gastos, qual a relevância de seu trabalho e considere!

 

7 – Não escolha o mais engraçado, mas o mais sério

Diversos candidatos utilizam do argumeto humorístico para chamar a atenção. Você contrataria um gerente que aparece com palhaçadas em sua entrevista de trabalho? Considere!

 

 

Espero ter auxiliado você a encontrar um candidato ideal! No próximo domingo, vote consciente! Não ache que é perda de tempo pesquisar por um candidato perfeito, mas faça isso com cidadania!

Share on Twitter
Share on LinkedInShare via email
junho 27th, 2012

Eu posso fazer o meu contrato?

by ShaialaMarques

Diversas empresas criam seu próprio contrato. Geralmente um modelo na internet é a base e as modificações são realizadas para tentar se encaixar nas suas necessidades.

Alguns me dizem “Não preciso de advogado”.

Ledo engano! Um contrato baseado em um modelo e modificado por alguém que não tenha um conhecimento ténico não poderá ser algo bom – assim como você não faz uma reforma do motor do seu carro em casa. O contrato é feito de muitos detalhes, alguns essenciais para que o seu negócio seja bem sucedido. E se você não tem entendimento, não pdoerá se proteger de forma adequada!

Por isso, cuidado! Não se arrisque!

Share on Twitter
Share on LinkedInShare via email
junho 8th, 2012

Citando Contratos: Lentes de Contrato

by ShaialaMarques

Lentes de CONTRATO

 

 

“A vida ensina: Evite o olho gordo, use lentes de CONTRATO”

Roberta Von Doelinger

 

 

Share on Twitter
Share on LinkedInShare via email
junho 7th, 2012

Até que ponto um site de reclamação ajuda?

by ShaialaMarques

Alertada pelo meu querido colega Rudi Valença, quero fazer um texto que expõe o contraponto que ele atenciosamente me demonstrou.

No texto “Não contrate se…”, mostrei que um ponto interessante a ser observado antes de contratar é o índice de reclamações resolvidas em sites voltados para receber as queixas dos consumidores, como o “Reclame Aqui”.

Rudi, que é advogado e atua na defesa de consumidores e empresas, me mostrou algo que realmente vale a pena ser falado aqui.

Apesar de muitas vezes os sites deste tipo fornecerem soluções, algumas vezes pode atrapalhar. O site aceita a reclamação sem qualquer tipo de análise jurídica e, por isso, pode apresentar uma queixa injusta.

É sempre bom destacar que nem sempre “o cliente tem razão” – se um defeito no produto ou um erro no serviço for causado pelo próprio consumidor, a empresa está isenta de culpa. Algumas vezes, mesmo demonstrada a ausência de culpa do fornecedor, a reclamação estará lá. O consumidor, que em muitos casos não sabe o delineamento de seus direitos e seus deveres, acaba se sentindo injustiçado, permanecendo com queixas e reclamações.

Além disso, há empresas que decidem não se comunicar com clientes através destes meios, optando sempre por seu próprio canal de atendimento ao cliente.

Então, reformo a dica: sites de reclamação podem ser úteis, mas muito cuidado! Tenha cautela ao observar queixas, reclamações e questionamentos. Na dúvida, procure seu advogado de confiança!

 

Obrigada, Rudi!

Share on Twitter
Share on LinkedInShare via email
junho 6th, 2012

Não contrate se…

by ShaialaMarques

Confira algumas dicas para o consumidor não contratar! Em breve, um versão para empresas!

1) A empresa tiver má fama nas redes sociais: A Internet traz inúmeros benefícios para quem está contratando. Um dos principais é a verificação da reputação das empresas nas redes sociais. Geralmente é nas redes sociais que as pessoas desabafam sobre as empresas, por isso é sempre bom conferir como ela trata o cliente, cumpre (ou não) o acordado e resolve os problemas que surgem.

2) Não tiver um bom índice de reclamações resolvidas em sites como o Reclame Aqui: Problemas eventualmente vão surgir em uma empresa. O que vai diferenciá-la de tantas outras será a maneira como vai lidar com isso. Se ela buscar resolver o problema ou criar condições de que o seu cliente fique satisfeito, terá uma melhor reputação. Isto dá uma certa segurança ao novo cliente, que vê a política de soluções da empresa.

3) A empresa mudou muitas vezes de nome nos últimos anos: Uma empresa que está constantemente mudando seu nome poderá estar fugindo de seu passado. Geralmente este “passado oculto” contém fama negativa, pessoas cobrando e, na maioria dos casos, clientes insatisfeitos. Mas, atenção – não significa que TODAS as vezes que uma empresa mudar de nome será para fugir de seu passado.

Evite contratações de risco - veja nossas dias

4) Tiver muitos processos em tramitação contra ela: Uma simples Consulta Processual no site do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (http://www.tjrs.jus.br) poderá lhe fornecer alguns detalhes importantes antes de contratar uma empresa. Ao pesquisar pelo nome da empresa na aba de Consulta Processual, você poderá ter uma idéia de quantos processo a empresa é ré. Se forem muitos, cuidado – há um mal indicador aí.

5) O contrato for “leonino” – e imutável: Algumas empresas entendem que o bom contrato será aquele que impor altíssimas taxas e multas para o seu cliente, em caso de descumprimento, enquanto suas punições são brandas. Ao se deparar com um contrato que lhe dê mais desvantagens do que vantagens, evite a contratação. Uma relação contratual deverá ser equilibrada e paritária. Converse com a empresa e peça mudanças no contrato. Caso ela não aceite mudanças, desconfie!

Share on Twitter
Share on LinkedInShare via email
maio 30th, 2012

Recibo não é contrato

by ShaialaMarques

Apesar de que a lei entende que o importante não é o que de fato está escrito, mas a vontade das partes, uma coisa tenho de alertá-los: recibo não é contrato.

Por diversas vezes vejo pessoas que realizam negócios (alguns de valores bem altos) e recebem apenas um recibo. O papelzinho apenas indicará que você pagou algo e, apesar de ele ser uma prova que aponte uma relação contratual, não terá a proteção necessária.

Para suprir a falta das cláusulas contratuais, o judiciário poderá ser a solução.

Mas aqui quero destacar: se você pode definir as cláusulas contratuais da melhor forma, porque deixar que um terceiro (o juiz), que não está inserido em todos os detalhes da negociação, o faça? Além disso, você terá de pagar honorários advocatícios e custas processuais em um processo – algo desnecessário se você tivesse procurado um profissional especializado antes (e a custos menores).

Dou este alerta não para promover o meu serviço, mas para orientá-los: se menos pessoas tiverem de recorrer à Justiça para procurar seus direitos, teremos processos mais céleres e andamentos mais ágeis (assim espero!).

Share on Twitter
Share on LinkedInShare via email
maio 29th, 2012

Antes de contratar, faça uma boa negociação

by ShaialaMarques

Ok, o blog é sobre contratos. Mas o tema que vou escrever hoje é relacionado a uma fase anterior ao contrato, a negociação.

Para que um bom contrato seja realizado, é imprescindível que haja uma negociação bem realizada. Aprendi estas lições (e mais muitas outras) nas aulas de uma incrível professora, a Dra. Clea Beatriz Macagnan!

Confira algumas dicas:

1) Defina interesses: Quais são os interesses das partes? Quando você começa a negociação buscando entender o que as duas partes necessitam, você terá grandes chances de obter uma contratação mais satisfatória para ambas as partes.

2) Pense mais fundo: Antes de realizar a contratação, pense mais fundo sobre o negócio e os benefícios que ele pode lhe trazer. Algumas vezes você poderá ceder alguns benefícios à outra parte (desconto, brinde, condições flexíveis) para que você tenha um cliente fiel, por exemplo.

3) Reveja os detalhes do objeto do futuro contrato: Confira cada ponto relacionado ao âmago do contrato. Se o contrato for de prestação de serviços, revise mentalmente cada etapa da prestação e confira se cada um dos pontos importantes já foi discutido com a outra parte. Se for uma locação de objeto, veja se já foram discutidas todas as principais características dele. Todos estes detalhes integrarão o contrato no futuro!

4) Defina valores com cuidado – e não esqueça das condições de pagamento: Os valores do contrato devem ser minuciosamente discutidos, e com eles a forma de pagamento. Trate com a outra parte todas as possibilidades de desconto (se o pagamento for à vista, se for adicionado mais serviços ou produtos, se houver possibilidade de nova contratação) e realize tudo de uma forma que fique melhor para ambos.

5) Dê espaço: Algumas vezes, a outra parte precisa de espaço para pensar nas condições da contratação ou no objeto do futuro contrato. Dê este espaço para que ela “amadureça” a idéia, trazendo novas idéias ou pontos de vista para a negociação. Não pressione e não apresse além do que deve! Avalie o tempo disponível para a contratação e faça tudo com calma e cautela.

6) Mantenha o equilíbrio: Um bom contrato precisa ter um equilíbrio entre as partes. Começe desde a negociação a cuidar do equilíbrio desta relação, não tentando obter vantagens além do que deve, mas que ao final ambas as partes sejam beneficiadas!

7) Seja amigável: O futuro contratante ou o futuro contratado devem sempre ter em mente algo – o contrato é bem feito quando ambas as partes estão amigavelmente de acordo. Por isso, estabeleça um relacionamento amigável, por mais que seja profissional.

 

Share on Twitter
Share on LinkedInShare via email
maio 28th, 2012

Conheça mais: Termo Aditivo

by ShaialaMarques

O que é o termo aditivo?

O termo aditivo é um instrumento que poderá modificar o contrato ou incluir cláusulas.

 

Quando o termo aditivo será utilizado?

Utiliza-se o termo aditivo quando alguma coisa for modificada no contrato – a duração do serviço, a quantidade de itens alugados, a data da prestação, o número de convidados a serem serviços por um buffet ou qualquer outro ponto que venha a ser negociado. O termo aditivo poderá ainda incluir serviços extra que foram negociados após a assinatura do contrato, “brindes” ou cortesias que a outra parte tenha prometido ou ainda o acréscimo do valor do contrato.

 

Quais os riscos de não se assinar um termo aditivo?

O principal risco é o não-cumprimento. Se você adiciona itens ao seu negócio e ele não está no contrato…como você pode saber se a pessoa cumprirá? O segundo risco é não poder comprovar que, de fato, aquilo foi adicionado à combinação original.

 

Quais os benefícios de se assinar o termo aditivo?

Adicionando itens formalmente ao contrato fará com que um possível inadimplemento no ponto adicionado seja punível com as multas já previstas em contrato.

Se as condições mudarem ou se itens forem adicionados, não esqueça: assine um termo aditivo!

Share on Twitter
Share on LinkedInShare via email
maio 18th, 2012

Contrato Verbal

by ShaialaMarques

Recentemente fiz uma citação sobre o contrato verbal. Hoje, quero esclarecer um pouquinho mais sobre ele.

Primeiramente, preciso dizer que o contrato verbal existe e é válido juridicamente. Contudo, ele não será tão completo quanto um contrato escrito e, por não haver uma forma documentada, é dificil de comprovar a sua existência.

O âmago de um contrato é a vontade das partes. Assim, um contrato, mesmo que puramente verbal, será válido e obrigará ambas as partes. Comumente realizamos contratos de compra e venda verbais (em mercados, quitandas e fruteiras), contratos de empréstimo (quem nunca pediu uma xícara de açúcar emprestada ao vizinho?) e diversas outras modalidades. Porém, se você realizar negócios sérios, que envolvam uma quantidade razoável de dinheiro e necessitem de uma igual quantidade de cuidados, o contrato verbal não é indicado.

Quando me refiro aqui no blog sobre “contrato”, sempre estou falando do contrato escrito. O contrato verbal corriqueiro, que usamos no dia-a-dia, não exige tantos cuidados. Mas se você precisar comprovar a existência de um contrato verbal, encontrará algumas dificuldades. A nota fiscal, por exemplo, é uma das formas mais fáceis de demonstrar a existência de uma compra e venda.

Por isso, pense bem antes de realizar um contrato verbal. Evite ao máximo esta forma de contrato e proteja-se sempre com um instrumento contratual redigido por quem entende do assunto.

Share on Twitter
Share on LinkedInShare via email